Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar a sua experiência e os nossos serviços, analisando a navegação no nosso sítio web. Ao continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Pode obter mais informação na nossa página Termos de Uso e Privacidade

Fiscalidade verde aumenta consumo de sacos de lixo em 40%

Criada em: 13 outubro de, 2015

Efeito colateral da taxa sobre os sacos de supermercado era esperado e desejado pelo Governo. Mas pode reduzir parte dos benefícios ambientais da medida.

O consumo de sacos de lixo em Portugal aumentou mais de 40% desde que entrou em vigor a taxa sobre os sacos de plástico dos supermercados, em Fevereiro. O efeito era esperado e desejado pelo Governo, mas pode reduzir um dos benefícios ambientais daquela medida.

Oito meses após a introdução da taxa de dez cêntimos, o Ministério do Ambiente ainda não tem números sobre a sua aplicação. Há indicações evidentes de que o uso dos sacos leves antes gratuitos caiu substancialmente. Mas também há efeitos colaterais – incluindo quebra de receitas e despedimentos na indústria.

Os efeitos da taxa também estão a ser notados no outro extremo da cadeia, o dos lixos. O PÚBLICO contactou várias entidades gestoras de resíduos sólidos urbanos, representando cerca de 60% do lixo tratado no país. Nenhuma tem ainda dados quantitativos conclusivos, mas quase todas possuem uma impressão visual do que se está a passar. “Verifica-se uma grande redução dos sacos de plástico dos supermercados. O que aparece agora são sacos de maior volume, pretos”, afirma Susana Ramalho, directora executiva da Resialentejo, que gere os resíduos urbanos do Baixo Alentejo.

Outras entidades falam em diminuição “acentuada”, “significativa” ou “aparente”. Onde mais se nota esta alteração é nas linhas de separação dos materiais recicláveis, que vêm dos ecopontos. “Dantes olhávamos e víamos logo os sacos com as marcas dos hipermercados. Isso deixámos de ver tanto. Mas continua a haver sacos”, afirma Patrícia Carvalho, responsável pela Divisão de Reciclagem e Valorização Multimaterial da Lipor, do Grande Porto.


IN: Público.pt