Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar a sua experiência e os nossos serviços, analisando a navegação no nosso sítio web. Ao continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Pode obter mais informação na nossa página Termos de Uso e Privacidade

Stamina - o robô português que promete mudar a indústria automóvel

Criada em: 28 junho de, 2016

O Stamina regressou neste fim-de-semana de Munique, na Alemanha, onde representou Portugal na Automatica - uma feira de robótica industrial que decorreu na cidade.

 



O Stamina é um robô desenvolvido em Portugal e que pretende automatizar a tarefa de picking, uma espécie de ida às compras nos armazéns que acontece muito nas linhas de montagem de automóveis. O robô com "sangue luso" pretende melhorar a organização na produção e armazenamento de componentes na indústria automóvel. Segundo o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), entidade portuguesa envolvida no desenvolvimento do Stamina, o objectivo é melhorar os índices de automação abaixo dos 30% que se registam, de momento, no sector automóvel e em relação a estas operações em particular.

Este é um sistema robótico com sensorização avançada que vai mudar a perspectiva que se tem sobre os robôs actuais que só conseguem trabalhar em ambientes em que tudo tenha uma ordem específica, ficando "desorientados quando algo sai da norma". O robô recorre a lasers e câmaras para reconhecer o espaço em que se movimenta, enquanto um braço robótico integrado pode ser utilizado em diversas tarefas de manuseamento.

«O robô Stamina está focado nesta operação, é ele que faz esta recolha no "supermercado", no armazém onde estão as peças, e depois faz a entrega na linha. Como estes supermercados foram desenhados para pessoas, trata-se de um desafio tecnológico porque é preciso que o robô tenha percepção, que saiba localizar, ir buscar e agarrar as peças que pretende, mas em traços gerais é este o desafio do robô Stamina», decreveu Germano Veiga, um dos investigadores responsáveis pela criação do Stamina, e membro do Centro de Robótica Industrial e Sistemas Inteligentes do INESC TEC , à Rádio Comercial.

Apesar de ter sido «bem recebido» na Alemanha, o Stamina ainda não está oficialmente pronto: «Ainda vai ser melhorado. Vamos fazer o teste final na fábrica no início do próximo ano. Ainda há caminho a percorrer, especialmente para tornar o sistema mais robusto e aumentar a sua performance», afirma o investigador português.

O Stamina está a ser desenvolvido desde 2013 por um conjunto de sete instituições e o INESC TEC que também apresentou na Automatica outros dois robôs do projecto europeu SMERobotics, juntamente com mais duas empresas portuguesas, a SARKKIS Robotics e a NORFER. O projecto SMERobotics enquadra-se na Iniciativa Robótica Europeia para o Fortalecimento Competitivo das PME na Indústria de Produção e tem como objectivo concretizar a robótica cognitiva num segmento chave para a Europa: a Indústria de Produção. 

Sobre a perspectiva de o crescimento dos robôs estar a ameaçar postos de trabalho, Germano Veiga diz que não há razão para alarme: «Há cinco ou seis milhões de máquinas de vending só no Japão e essas é que roubam emprego. Mas o termo robô ainda tem um peso grande».

 

IN: http://radiocomercial.iol.pt/noticias/